Você supõe o céu
C   redit
Então pegue o telefone ou um avião, deixe de lado os compromissos marcados, perdoa o que puder ser perdoado, esquece o que não tiver perdão…
Engenheiros do Hawaii.   (via auroriar)
Compromisso é permitir que o outro entre na nossa vida. É sonhar junto sem se sentir ameaçado, marcar um horário sem se sentir controlado, dividir o espaço sem se sentir invadido. Compromisso não é ‘falta’ de liberdade. Compromisso é o ‘exercício’ da liberdade de estar com alguém.
Autor Desconhecido.     (via rio-doce)
Mania de jogar o cabelo pro lado. Mania de sorrir quando sente alguém olhando demais. Mania de coçar os olhos e olhar o visor do celular como se houvesse chegado alguma coisa e não viu. Mania de estudar escutando música e revirar os olhos sempre que escuta, ouve ou vê alguma bobagem. De sorrisos, de olhares, de vozes e cheiros. Mania de achar que nem tudo é aquilo que se vê. De imaginar situações com quem nunca viu e se arrepiar, sorrir, se desesperar por isso. Mania de fechar os olhos antes de dormir e te desejar boa noite em pensamento, dorme bem, sonha comigo, te quero muito e bem.
– Caio Fernando de Abreu (via cartas-rasgadas)
Se alguém que ama romper o relacionamento mantido com você, jamais entre em desespero. Essa é uma boa chance para fazer uma auto-avaliação do que precisa ser mudado. Sempre haverá alguém á espera de receber seu amor. É só ter calma e lembrar que tudo tem seu tempo certo
cartas-rasgadas   (via cartas-rasgadas)
Se você gosta pelo físico, é desejo. Pela inteligência, é admiração. Pelo dinheiro, é interesse. Mas se você não sabe o por que, é amor.
Desconhecido. (via sutilizar-se)
Desculpe, sou antiga. Gosto de andar de mãos dadas. E mais do que beijos e amassos quero amor e continuidade.
Clarissa Corrêa
Uma pessoa pode sentir-se isolada, mesmo sendo amada por muita gente, só pelo fato de não ser a única de ninguém.
O Diário de Anne Frank.
As vezes tarde demais, é a hora certa.
Eu me chamo Antônio.   (via cartas-rasgadas)
Eu me perguntava até que ponto você era aquilo que eu via em você ou apenas aquilo que eu queria ver em você, eu queria saber até que ponto você não era apenas uma projeção daquilo que eu sentia, e, se era assim, até quando eu conseguiria ver em você todas essas coisas que me fascinavam e que no fundo, sempre no fundo, talvez nem fossem suas, mas minhas, e pensava que amar era só conseguir ver, e desamar era não mais conseguir ver, entende?
– Caio Fernando Abreu  (via cartas-rasgadas)